quinta-feira, 8 de março de 2012

masculinismo

Dia oito de março, dia Internacional com maiúscula, da MULHER em caixa alta. E vou falar justamente de homem. Sim, nós homens, seres cada vez mais acuados diante dos modernismos atuais. Refiro-me também ao mundo cada vez mais "cor de rosa", mas principalmente a revolução das mulheres, que teve início com a pílula, passou pela eleição de uma presidenta e culminou com a "novela das onze".
Esclareço: tive certeza que as mulheres haviam dominado o mundo quando a Globo criou uma novela as onze da noite. Já não bastavam as novelas da noite. São três! Três em cada canal! O lado bom é que são vários atores de qualidade duvidosa que estão empregados. Não fossem essa fartura de novelas seriam eles pseudo atores de teatro.
Além das inúmeras novelas da noite, antecem duas novelas. Uma novela de atores estagiários e outra novela que não vale a pena ver de novo. Então, com essas 'trocentas' novelas em todos canais abertos, resolveram gravar uma novela as onze da noite, o que me parece uma total falta de respeito para conosco. Nem a Ellen Roche nua me fez mudar de idéia.
Nós perdemos espaço. As mulheres dominaram o mundo. E elas ainda reclamam dos míseros DOIS jogos transmitidos ao vivo nos canais abertos, um na quarta e outro no domingo.
Dias atrás ouvi uma teoria um tanto polêmica: a inflação é culpa das mulheres. Matematicamente é fato, mulheres gastam mais, quase sempre mais do que o necessário. Não é uma regra, mas uma constatação pertinente. Gastassem elas o necessário, e a inflação estaria sob controle. E como as mulheres, justamente, ocupam o mercado de trabalho, gastam como falam, de forma constante e com poucos intervalos.
Meu falecido avô deve estar preocupado. Saísse ele do caixão agora não entenderia como minha namorada, no exato momento em que escrevo, está num restaurante com outras amigas bebericando e conversando alegremente (todas falando ao mesmo tempo) e pagará a conta sem me pedir centavo algum. Isso é apenas uma constatação, não uma crítica. Porém serve para ressaltar o salto que as mulheres deram em menos de um século.
O texto aparentemente é machista, mas não se deixe enganar. O texto pode estar dando (gerúndio filho da puta!) início a uma nova era. A era do masculinismo.
O masculinismo nada mais é do que um movimento criado agora, com Estatuto fictício mas que pode ser melhor desenvolvido em bares que vendam cerveja gelada, que busca a equidade de direitos, como trabalhar com pernas, pés e braços de fora, mas que se contenta com um futebolzinho com os amigos no meio da semana.
O art. 1 assume que somos o sexo frágil, eis que não aguentaríamos sangrar todos os meses, somos frágeis a dor e não podemos escolher a temperatura do ar condicionado.
Saliento ainda, o art. 14, parágrafo 2°, do Estatuto - com letra maiúscula - do MASCULINISMO - com letras garrafais - que diz que é direito de todo homem optar por fazer a barba quando bem entender sem ferir a moral e os bons costumes da sociedade hipócrita.
O Estatuto informa, em caráter irrevogável que, ainda assim, somos dependentes destes seres cheirosos e curvilíneos, que merecidamente conquistaram seu espaço e nos dão tantas alegrias.

Um comentário:

  1. Me identifiquei em algumas partes... heheheh
    Adorei! ;)
    Te amo!

    ResponderExcluir