quinta-feira, 18 de março de 2010

crônica do roger (1)

Vou me arriscar por uma crônica. Uma crônica para tratar de um assunto que tem relação direta com o blog. Li esses dias, no site da globo.com, que a Fernanda do BBB 10 está com vontade de ficar com o Serginho. Ainda sobre o BBB, noutro site, vi que o lutador Dourado está com aprovação de mais de 50% e está muito perto de ganhar o prêmio do programa, estipulado em um milhão e meio de reais, enquanto que os demais dividem o restante da preferência. Ok, ok, crucifiquem-me! Assisto e gosto do BBB.
Bueno, para quem não assiste esse programa, uma das participantes, Fernanda, é uma dentista linda, inteligente, que depois que ficou sabendo estar SOLTEIRA tornou-se uma mulher incrivelmente sexy, inclusive despertando a inveja das outras mulheres confinadas. O Serginho é um... é uma bichona. Você olha para ele e não percebe um homem. Afeminado, parece que nem pau tem. Usa maquiagem, roupas justas e tem o corpo esquelético, sem bíceps, tríceps, sem ombros largos. Uma moça! Uma moçoila que adora falar de sexo, brincar com o sexo. Uma mulher que fica com o ele é quase que uma lésbica. E o Dourado faz o estilo BadBoy, gosta de malhar, mas é um cara articulado, inteligente. É feio, tem uma cara de cavalo, dentes tortos e um cabelo bizarro. E se afasta das reuniões quando o assunto é sexo!
Diante desse cenário, observo as mulheres. Dentro da casa, a carente e abandonada Fernanda, quase cedendo aos encantos (?) do gayzinho. Fora da casa, as mulheres do Brasil varonil encantadas com a masculinidade do gaúcho Dourado. Dois estilos de homens, que atraem as mulheres em situações distintas. De um lado a mulher carente, trancafiada numa casa por meses, traída pelos seus sentimentos, frustrada com seu antigo amor. De outro, as mulheres solteiras e casadas, que vêem no lutador um homem de pegada, chamando-o de "homem de verdade".
Entre eles, o Roger. Que não é um BBB, mas representa todos os outros homens comuns que temos por aí. Não luta, vai à academia para conseguir subir uma escada sem ter um infarto. Tenta jogar um futebolzinho e vez em quando. É contra a violência, não bate em ninguém, até mesmo por que talvez não conseguiria. Tem a sua pegada, mas ela não se revela através dos seus músculos. Tampouco é vaidoso, não usa maquiagem, não faz nenhum estilo, não pertence a nenhuma tribo, muito menos pertenceria aos EMOs. Não é veado, mas adora falar de sexo. Daí o Roger fica por aí, carente a abandonado, por essas mulheres que a cada dia querem uma coisa diferente. Entenderam, agora, o porquê dizemos que as mulheres são complicadas?

5 comentários:

  1. Boa crônica!!!
    Mas preciso te corrigir em um detalhe!
    Se diz EnfartE ou InfartO
    Ok!!

    ResponderExcluir
  2. rsrsrssrsr
    carente e abandonado?????
    kkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pela correção... já alterado!!

    ResponderExcluir
  4. Mas chega a dar pena... Pooobre Roger!!!

    ResponderExcluir